Entre as escolhas, ser Original

Um símbolo de resistência, uma editora que reúne literatura de qualidade, oferecendo uma edição primorosa para cada um de seus autores. Assim é a Laranja Original. A quinta edição da sua Revista de Literatura e Arte está especial e o lançamento reuniu uma turma boa para falar do que mais gosta: escritos, imagens e sentidos.

Capa da Revista de Literatura e ArteLaranja Original, 5a edição.

Com a organização de Filipe Moreau e edição de Germana Zanettini, Beto Furquim e do próprio Filipe, os textos e imagens da LO5 foram selecionados com a mesma delicadeza e profissionalismo das edições anteriores. Muita poesia, prosa e arte, tudo em um projeto gráfico sofisticado, assinado por Hanna Uesugi e Pedro Botton. Além da materialização da revista, em que todos que são “da casa” podem participar, é bonito de ver o respeito que essa pequena grande editora tem pelos autores e artistas, sempre incluindo novos talentos e buscando a troca de informações e de saberes. No lançamento, feito pelo Zoom, no dia 16 de julho, ficou provado que é um pessoal que gosta de boa conversa. Foram nada menos do que três horas de live, em que todos puderam falar da experiência de estar na revista e ler trechos, de textos próprios ou dos colegas. Sem contar a parte visual, claro, que também foi celebrada no evento. Para ilustrar esta matéria trouxemos uma pequena parcela dos artistas presentes na edição: Alex Ceverny (imagem acima e na home), Helena Barbagelata e Fernanda Bienhachewski.

Amarelinha, de Helena Barbagelata, uma das imagens que ilustram a LO5

Entre os poemas lidos no lançamento, está o intenso Mascavo, de Beto Furquim, que fala de uma forma corajosa e cortante de uma das máculas da nossa história, a escravidão. A poeta Deborah de Paula e Souza leu seu poema que versa sobre a pandemia (em todas as suas camadas). Cristiana Rodrigues, que também escreveu sobre o assunto, escolheu entoar o poema de Germana Zanettini que tem no título o indigesto número de mortos pela Covid. Edson Valente emocionou a audiência com seu Relicário, que fala de lembranças e memórias enquanto Furquim leu mais um, dessa vez de Beatriz di Giorgi, escolhendo aquele que trouxe, literalmente, um novo olhar para o evento (levemente estrábico e encantador).

Moon Mother de · Fernanda Bienhachewski

Jayme Serva falou de samba na forma de soneto, enquanto Lilian Escorel trouxe os acordes da música francesa para falar de amor, ambos muito afinados. Diana Junkes elegeu o “clariciano” A galinha para dar mostras do seu repertório, enquanto Mario Pirata, poeta para todas as idades, leu e foi lido pelos colegas e, trouxe bom humor ao lançamento mostrando, ao vivo e em cores, os tipos de laranja do sítio em que vive. Isso, sim, é poesia concreta! Jo de Souza, ao unir os universos da poesia e do inconsciente em seu trabalho, trouxe uma amostra de seus Devaneios. Paula Valéria Andrade já foi mais direta e reta em seu Vai Embora/Sai Fora, levantando as massas e Sergio Basbaum foi lacônico, mas intenso, em seus poemas visuais. E por falar nisso, entre os artistas plásticos, estiveram presentes Alex Ceverny, Gabriela Brioschi e também Marcos Garuti, que contou um pouco de seu processo criativo. Na edição ainda há espaço reservado para a fotografia e entre eles estão Gabriel Mayor, Ana Aly e Claus Lehman.

O anfitrião, Filipe Moreau, poeta, músico, incentivador das artes e cultura, mais uma vez revela o seu olhar preciso para coordenar a revista. Com seu jeito discreto e autêntico, dá um grande exemplo de como ser artista, realizar e criar potência sem perder a ternura.

A revista da Laranja Original (a recém lançada 5a edição e as demais) estão disponíveis para compra no site da editora. E atenção para promoção especial: comprando qualquer título da Laranja Original, você leva o primeiro número da revista gratuitamente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *